quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Cinema Espanhol

Do programa de filmes novos espanhois que chega agora ao nosso centenário Olympia destaco “Flores”(Loreak) de José Mari Goenaga (exibição dias 22 e 23). Trata de uma senhora que recebe regularmente ramalhetes de flores sem qualquer indicio de remetente. O marido dela quer explicações mas não importa: as flores continuam a chegar e a remessa acaba se relacionando com outro casal, revelando possivelmente a origem com a morte de uma personagem.
O filme não é só um enigma poético nem desvia para um argumento policial. É um estranho quadro de tipos e sentimentos visto de forma retilínea, sem flashbacks, sem alusões analíticas de personagens.
O já visto aqui “Pecados Antigos”(La Isla MInima) mostra como o espanhóis fazem bem o “noir” que o americano ( e o francês) jogou na historia do cinema. Os demais filmes mostram um artesanato moderno por assuntos nem sempre bem explorado. Menos “Ártico” que me pareceu tão distante do espectador como o nome no cenário rural (e/ou suburbano) evocado.
Interessante ver como o cinema da Espanha evoluiu da ditadura Franco, quando se limitava aos artistas mirins como Joselito e Marisol e só desviava para o melodrama com Sarita Montiel e provocava a censura com Buñuel logo em transito para o México(o clássico “Viridiana” que irritou o “generalíssimo” quando ganhou a Palma de Ouro do Festival de Cannes).

Vale a pena conhecer esta nova fase de uma cinematografia que sabe explorar o seu quadro geográfico ( uma beleza os grandes planos regionais). 

Um comentário:

  1. Gostei e Flores falado eu eureska o idioma do Pais basco

    ResponderExcluir